Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2009
Assim não vamos a lado nenhum

A ministra francesa da Justiça, Rachida Dati, 43 anos, regressou hoje ao trabalho, cinco dias depois de ter dado à luz a primeira filha.

Notícias como esta deixam-me com pele de galinha.

E fartei-me de barafustar com o assunto na redacção.

Acho que os meus colegas me queriam dizer que cada um faz o que quer, e eu estou de acordo com isso, o que parece que expliquei mal é que não acho que isto seja uma decisão individual. Caramba, é um sinal político daqueles com néon a toda a volta.  Mas como sinal político não merece mais do que o meu desprezo. E um bocado de alegria por não ser francesa.

As mulheres  sem responsabilidades políticas podem ir trabalhar no dia em que parem, da detentora de um cargo político espero mais do que incentivos à natalidade. Conto com o incentivo à parentalidade responsável.  Acho que é importante as crianças terem pais presentes. Ou, se não quisermos usar as palavras de sempre, terem alguém (e não estou a falar de empregadas ou babysitters) que se compromete a dedicar-se a fundo a conhecê-las, protegê-las, educá-las. E isto requer uns mínimos olímpicos, que não se cumprem em cinco dias.

 

Depois, sempre que uma mulher com poder público abdica da sua licença de maternidade (em França são quatro meses) está a dizer que não precisa dela. É simples, não é? E quando uma mulher com êxito o faz, o raciocínio é: se ela que tem mais trabalho não precisa, as outras também podem passar sem ela. São é uns calonas que só pensam em chular o Estado.

Lamento informar, mas gosto do que faço e posso garantir que o meu trabalho é bem menos exigente fisicamente do que a Madalena, pelo que não me estão a castigar mandando-me trabalhar. O que é verdade é que para mim, trabalhadora por conta de outrem, é que os meses de licença de maternidade são os únicos de que dispus para me poder dedicar à minha filha a 100 por cento. E não me arrependo.

Na contabilidade geral do universo, acho que o jornal passou melhor sem mim do que a Madalena passaria sem a mãe. Porque é isso mesmo: eu sou aquela pessoa que decidiu ter uma filha, aceitando os encargos que isso tem. Alguns inesperados, admito. Mas, olhem, é vida.

Gostaria de ser mais tolerante e compreensiva com este assunto, a sério que gostava, mas ultrapassa-me. Ao pé de Rachida Dati, o regresso de Ana Drago ao debate "Corredor do Poder" (RTP1, quintas-feiras à noite) um mês depois de ter dado à luz  não é nada.


sinto-me: Indignada
tags:

publicado por Lina às 21:55
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Presente

To whom it may concern

Intervalo político

21 semanas

É o Armando Gama? É a Mar...

Ser madrinha

Passado

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links
tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds