Sexta-feira, 30 de Maio de 2008
Maldito lóbi do leite em pó

Já houve um tempo em que eu me preocupava muito com o local onde dava de mamar à Mini e fazia tudo para estar em casa nessas horas. Depressa percebi que se insistisse nesse método das duas uma: ou ficava maluca por estar sempre trancada em casa ou punha os preconceitos de lado e passava a fazer uma vida normal, dando de mamar onde fosse preciso. Optei por esta segunda via (com bastantes restrições), apesar dos olhares de nojo, repreensão e curiosidade que as pessoas me vão lançando. Ironia das ironias, na maior parte dos casos, por trás desse olhar está... uma mulher. E mãe, ainda por cima. Aconteceu-me na terça-feira, na sala de espera do consultório da pediatra. Era hora, dei de comer à Mini e, de repente, lá estava o olharzinho de "como é que és capaz?!", vindo de uma daquelas mães. Parece impossível, senhores, num consultório... Pela cara dela qualquer pessoa diria que eu estava a dar de mamar numa festa requintada com a Paris Hilton como convidada de honra.

 

Antes da Madalena acho que também padeci deste preconceito. Embora visse poucas mulheres a fazê-lo, não percebia por que razão as mulheres davam de mamar em público. Perguntava-me por que não o faziam em locais mais recatados. Ingenuidade a minha. Raramente há sítios discretos e, sobretudo, limpos onde se possa alimentar uma criança em condições. Uma pessoa que conheço dizia no outro dia que se fossem os homens a amamentar, já se tinha acabado com isso. Ou, na minha opinião, já tinha criado lounges super-cómodos, modernos e bem apetrechados para se poder alimentar bebés. Não são, é pena.

 

A questão é que tanto repúdio me fez pensar: por que raio as pessoas se passaram a comportar assim? Apesar do que digam os românticos, realmente uma mulher a dar mamar não é propriamente um ideal de beleza e perfeição, mas também não é caso para se ficar horrorizado. E então desenvolvi uma teoria conspirativa. A culpa de tudo isto é das empresas que fabricam leite em pó. (Garanto-vos, aliás, que não fui a única a chegar a esta conclusão. Há muita literatura sobre o tema na internet).

 

Portanto, as empresas criaram essa falsa ideia de que o leite artificial era melhor e assim conseguiram criar a necessidade por uma coisa que, estou em crer, a maioria das mulheres não precisa. E se quisermos levar isto mesmo além ainda podemos pensar que à conta disto as mulheres passaram a ir trabalhar um mês depois de dar à luz.

 

Não acredito que esteja um homenzinho sentado num gabinete a magicar estas coisas, mas lá que parece, parece.



publicado por Lina às 01:22
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Presente

To whom it may concern

Intervalo político

21 semanas

É o Armando Gama? É a Mar...

Ser madrinha

Passado

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links
tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds