Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2008
Melhor
Cansei-me de dar más notícias, por isso o espaço que se segue pretende apenas dar conta de coisas boas, porque a Madalena está muito mais arrebitada.

Primeiro tiraram-lhe o ventilador, depois puseram-na ao nosso colo (na verdade, só eu é que usufruí desse privilégio na segunda-feira) e ontem começou a mamar (e o papá já esteve com ela ao colo um tempão). Eu sei que ela continua no hospital e que continuam sem me dizer quando é que ela sai, mas agora pelo menos tiram-lhe fios. Antes, chegava e tinha sempre mais uma porcaria qualquer atada à volta dela.

Isto ainda está longe de ser perfeito, mas é um orgulho poder dizer que finalmente lhe demos banho e até a vestimos. Ou mais ou menos, porque aqui entra a parte cómica (sim, já há uma parte cómica). Depois de tantos dias seguindo as tendências de Adão e Eva, esquecemos que algum dia seria preciso ter roupa e ela só tinha um barrete verde e umas meias a condizer. Resultado: depois de arranjada com este modelito impressionante parecia um duende. Mas ficou linda na mesma. Porque ela é linda.


publicado por Lina às 15:16
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2008
Faltava isto


A nossa filha



publicado por Lina às 07:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2008
31 de Janeiro

31 de Janeiro é o dia da Madalena. E o mais feliz das nossas vidas. Uma quinta-feira gloriosa, que tinha planeado, e planeio, descrever ao pormenor para que a nossa filha saiba tudo o que puder sobre o dia em que nasceu: A anestesista que parecia uma esquiadora polaca, a epidural, as cuecas descartáveis (esta é memorável!), como ela não queria sair, como foi tudo tão rápido e como este foi dia mais feliz da minha vida. Mas vou deixar depois, porque o seguinte foi o mais horrível que já vivi.

Passámos a noite com ela e depois, na hora do banho, às 9h00, acharam que a Madalena não estava bem. E não estava mesmo. E foi assim que nos separámos da nossa filha. Primeira era apenas precaução, depois tinha ar na pleura, finalmente hipertensão pulmonar. E assim, enquanto o diabo esfrega um olho, a nossa menina ficou cheia de fiozinhos e começou a tomar remédios como gente grande. Não consigo descrever o que senti, e sinto, quando a vejo ali deitada na incubadora. Pior se me lembrar que vim para casa sem ela.

De segunda até hoje temos andado uns dias mais cima, outros mais na mesma. O que, dadas as circunstâncias, já é bom. Tudo isto leva tempo. É preciso calma e paciência. Repetem-nos isto 100 vezes ao dia. E nós acreditamos. Um passo de cada vez.

PS: Obrigado a todos pelos vossos telefonemas e mensagens. Não imaginam como têm sido importantes.



publicado por Lina às 19:24
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Presente

To whom it may concern

Intervalo político

21 semanas

É o Armando Gama? É a Mar...

Ser madrinha

Passado

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links
tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds