Quinta-feira, 24 de Setembro de 2009
E agora são as aftas

Resumo dos últimos dois dias:

Depois uma intensa terça-feira de trabalho que acabou às 23.00, com uma interrupção da avó (essa santa em vida), aflita com uma mega-birra da Mini que não queria pôr a fralda (estamos nessa fase!), encontro a baby acordada e a chorar. E quando digo chorar é mesmo chorar como ela própria, como uma Madalena. Razão? Desconhecida até então. Dentes era a nossa aposta nessa altura, a avaliar pela quantidade de baba que lhe saía da boca. Consegui finalmente deitá-la com a ajuda de um biberão de leite. Também podia ser fome, tendo em conta que quase não tinha jantado. A coisa parecia ter acalmado, o pai chegou, vimos o Gato Fedorento, andei por aqui, e então quando nos preparávamos para dormir, a Mini acorda outra vez num pranto. Nada a calava. Nem abraços, nem beijinhos, nem brincadeira.

- Queres leitinho? (Era improvável, mas vale sempre a pena perguntar).

- Não!"

Ora, quando a Madalena não quer comer algo se passa.

- Vamos para a cama dos pais?

- Nããão!

(Aqui está uma criança que, ao contrário de outros, considera dormir com os pais um tormento! E podemos garantir que o colchão é bem bom).

 

Sem resposta, decidimos levá-la às urgências. Não sei os outros pais, mas nós pensamos sempre que vamos para o hospital fazer figura de parvos, com o sono que a Madalena tinha era bem provável até que adormecesse até chegarmos à CUF Descobertas. Mas não. E aqui estava o indicador número dois de que algo de errado se estava a passar. Tínhamos razão.E desta vez era um cromo novo.

 

A Madalena está com uma estomatite viral (mais um bonito nome), uma porcaria que não tem de grave, mas esta é chata como o raio, dado que a criança está com a gargante inflamada e boca cheia de aftas, para além dos quatro dentes-vampiro que efectivamente começaram a romper. Daí a dificuldade para comer, daí a dificuldade em dormir.

 

Estamos há dois dias em casa, ela e eu. Não porque o caso seja de extrema gravidade, mas porque precisa de ser vigiada a toda a hora, garantindo que se mantém hidratada. Continua a querer comer, mas quase nada lhe agrada e pouco come.  Nem as uvas que são a sua perdição. Ficámos reduzidas a leite quase frio, gelado de nata e fatias de brioche. Sopa nem vê-la e peixe pouco. A médica avisou- nos que a situação ia piorar antes de melhorar mas, apesar das crises de choro, acho que temos a situação controlada. E, pronto, ísto é também o retrato do começo do novo ano lectivo. O infantário está cheio. De miúdos e de vírus.

 

(Para memória futura: benuron intercalado de brufe, bexident antes das refeições e Mycostatin depois, três vezes por dia)


tags:

publicado por Lina às 16:06
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De mena a 25 de Setembro de 2009 às 22:24
tadinha. isso deve doer à brava.
sempre gostava de saber como é que eles apanham essas porcarias...


De Lina a 26 de Setembro de 2009 às 21:09
Pois, eu também gostava de saber, mas suspeito que é a trocarem de chuchas no infantário!


Comentar post

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Presente

To whom it may concern

Intervalo político

21 semanas

É o Armando Gama? É a Mar...

Ser madrinha

Passado

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links
tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds