Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2009
Seria um desgosto, não fosse a memória tão curta

De há uns dias para cá, a Manena deixou de falar no Rodrigo.

O Guigo, um dos rapazes palhacinhos por quem a nossa filha tinha adoração, fez três anos e partiu para a escola dos grandes (já nem vai fazer parte da foto de grupo). Acho que pusémos uma cara tão decepcionada quando a Isabel nos disse que ele ia embora, que até ela - que corresponde ao estereótipo das auxiliares malvadas-mas-que-toda-a-gente adora - ficou comovida.Passou-lhe depressa, porém. Quando lhe disse que a Manena agora falava menos do Rodrigo, despachou-me a mil à hora: "Mais uns dias e já se esqueceu dele". Primeiro pensamento: "meu deus, esta mulher tem a sensibilidade de uma debulhadora de trigo. Está a propor à minha filha que se esqueça de um colega de quem gostou tanto"; Segundo, e reflectido, pensamento: "E não é sempre isso que acontece, seja em que idade for?".


tags: ,

publicado por Lina às 00:42
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009
A estatura dos grandes homens vê-se nos pequenos gestos

Deve ter sido um telefonema duro: "Olha, o P. tem gripe A". Assim, muito calmo, tão calmo quando perguntou se estava tudo bem que eu vi logo que havia alguma coisa de errado (é assim, a mim já não me apanha, foi por ele que soube que a minha amiga tinha cancro). Vá lá, é apenas gripe A e, apesar de eu estar cheia de medo (sim, estou, estou mesmo), estou (estamos) a tentar dominar o medo. Se não há sintomas, por que razão hei-de entrar em pânico. Não vou levá-la ao hospital, nem fazer ondas. Vou só estar atentar e cruzar os dedos para que o alinhamento cósmico esteja a meu favor. Por favor, que não aconteça nada.

 

Mas isto também não é um post sobre gripe A. Nem para dar graxa ao S., embora pareça. É sobre a estatura dos grandes homens, a sua ética perante as circunstâncias adversas. Que faria eu se tivesse de ligar aos meus amigos a dizer que a minha filha estava doente (mesmo que tenha sido uma coisa muito ligeira e que já esteja totalmente resolvido)? Medo, muito medo. Mas ele não. Ele liga, explica, informa, dá dicas e faz tudo parecer fácil. Adoro pessoas assim. A sério. Gostaria de ser assim, gostava que a minha filha fosse assim. Não é histérico, não é indiferente, é na medida justo do que a circunstância requer. Isto tem muito valor, não me digam que não!


tags:

publicado por Lina às 01:21
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 18 de Agosto de 2009
E enquanto a Madalena usufruía da companhia dos avós e dormia como uma santa (presume-se)...

A mamã e as tias foram para a borga. Mas uma farra das antigas, daquelas que derivaram em série de TV. "Sexo e a Cidade", estão a ver?

Jantarinho num sítio giro (não sei se era da moda como tinha prometido, mas acho que podia ser), muitas gargalhadas, comidinha (incluindo sobremesa), conversas sobre rapazes (como não?), bebés, gravidezes, a nossa vida e a vida alheia, política (connosco o Bloco Central não tem hipótese!), politiquice (raios parta quem inventou o passos-coelhismo, embora o apelido do senhor diga muito sobre os seus gostos, if you what I mean).

Se para outra coisa não servisse, foi bom o encontro para ficarmos a saber que a Assembleia da República é aquele edifício branco ali ao lado de um restaurantezinho alentejano amoroso! Cristina, I love you! E amanhã praia...

 

 



publicado por Lina às 02:46
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 16 de Maio de 2009
Este vai passar a ser obrigatório

A melhor descoberta da blogosfera


tags:

publicado por Lina às 18:20
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 8 de Maio de 2009
Os melhores amigos da Madalena

Diferente, o primeiro, também conhecido por Kico Nico da Imaginarium, chegou cá a casa antes da própria Madalena, cortesia da Mariana e do Paulo. É branco, mas já esteve bege e foi à máquina de lavar. Chama-se assim porque é imperfeito - uma orelha maior do que a outra - lembrando que, na vida, ninguém tem tudo-tudo no sítio.

Azul é o gato. Foi a tia Vira que deu numas férias no Porto. Quando a Mini foi para a escola começou a levá-lo para lhe fazer companhia. Tem este nome porque é cor de rosa. Eh Eh.

Quiqui, uma das preferidas. Chegou a nossa casa no Natal, e foi um presente da prima Susana. Como os nomes têm de ser facilmente decoráveis tentamos associá-los à coisa em si. Esta boneca vestida de rosa e amarelo é da Chicco e tem o nome da marca na lapela. Não queríamos que tivesse nome de rapaz e chamámos-lhes Chicca (assim à italiana para ser mais chique), mas entretanto a própria Madalena se encarregou de a baptizar chamando-lhe Quiqui.

Branquinho é o urso polar com que dorme com a bebé na cama (e quando ela está mais constipada serve de almofada). Tal como o gato, recebeu o nome a pensar na sua principal característica. Serve de indicador do crescimento da Madalena. Quando o papá o ofereceu à filha ela era bem mais pequena do que ele. Hoje, não só  ela é maior como consegue pegar nele com uma mão e atirá-lo.

 



publicado por Lina às 23:22
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 25 de Abril de 2009
Entreguem-lhe já o Pulitzer

No meio do desalento, da confusão, da angústia, da incerteza, foi ela, elazinha, com o seu ar  avoado (no bom sentido), a sua distracção, a sua genica, que me fez parar e pensar: se ela está na boa, por que razão não me consigo acalmar? Se ela, que trata do filho sozinha e vive a 50 km, acha que isto tudo se faz, para que me hei-de chatear? "Sabes, eu tenho problemas tão maiores para resolver...", disse-me ela. Adorei. E, para mim, já ganhou. Pelo menos, em atitude.

 


tags:

publicado por Lina às 01:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 14 de Maio de 2008
Mini no trabalho da mãe

Sem querer, nem pensar, ontem estive no meu trabalho com a Mini (podia lá ir, sem a atracção principal?!). Culpa da Sofia. Tinhamos combinado almoçar e depois ela convenceu-me a ir à redacção. O almoço foi muito fixe (temos de repetir) e rever toda a gente também foi muito bom.


Aposto que lá estive um ror de tempo, mas a mim pareceu-me que foram só cinco minutos. A Madalena abriu a goela e já não havia condições. Pudera, estava negrinha de fome depois de quatro horas sem comer (toda uma vitória, no entanto, aguentar este tempo todo). Com tanta emoção e tanta gente de volta da Madalena mal tive tempo de falar com as pessoas. Queria perguntar à Patrícia, a outra recém-mamã, se o regresso lhe está a custar muito e responder às perguntas que me fizeram, mas ficou tudo no ar...


Por exemplo, Sónia, a Mini ainda não vestiu o vestido que vocês lhe deram porque primeiro não estava calor suficiente e depois não tinha meias para vestir com o vestido. Mas já tratei disso. As t-shirts farta-se de usar. Às vezes até com um body de manga comprida por baixo para fazer aquelas sobreposições modernas! Os sapatos ainda lhe estão grandes.


E, cara Mikitas, para responder às tuas inquietações, o lavatório é mais que suficiente para a pirralhinha. Sim, ela já pesa 6200 gramas - mais do que um garrafão de água do Luso - mas só mede 60,5 cm.


Tenho pena de não ter mostrado a Mini à tia Almeida. Até pelo ridículo da situação: cruzámo-nos na rua - ela a procurar estacionamento, eu a tirar o chassis do carrinho da bagageira - e depois não apresentei a sobrinha à ogrinha . E nem houve tempo para dar um saltinho ao quarto andar para ver a Carla Lopes ou de ter feito fotos que registassem o momento.  Conclusão: está visto que lá temos de voltar.

 

 

 

 



publicado por Lina às 08:53
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sábado, 3 de Maio de 2008
Já me ia esquecendo...
Vamos ter um amiguinho novo. Lá para Novembro nasce o bebé B.
Andava tão embalada com essa coisa de não se poder contar ainda não tinha partilhado a novidade. Mas agora acho que já posso e estou muito contente. No meu íntimo, desejo que realmente seja amigo da Mini, porque ter amigos que conhecemos desde que nos lembramos de nós mesmos é muito bom.


publicado por Lina às 02:19
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 30 de Abril de 2008
Milestone: o primeiro amiguinho
Por esta ou por aquela razão, o encontro da Mini com o seu amigo A. ficou adiado até ontem. Tardou, mas valeu a pena. Como agora já começa a olhar realmente para o que a rodeia ao ver o outro bebé - um rapagão de 8 meses, que esticava as mãozinhas para lhe tocar e se ria à gargalhada - ficou espantada e muito curiosa. A esticar o pescoço, a pôr a cabeça para trás, era mesmo como se estivesse a dizer "mas quem é este que me está a querer tocar, que se mexe e faz barulho, mas não é como os adultos do costume". Foi lindo! E um magnífico presente: hoje faz três meses (e o presente vai ser mais uma sessão de vacinas).


publicado por Lina às 08:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Presente

Seria um desgosto, não fo...

A estatura dos grandes ho...

E enquanto a Madalena usu...

Este vai passar a ser obr...

Os melhores amigos da Mad...

Passado

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links
tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds