Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2010
Mas porquê que que quero ter filhos?

Vejamos (e vejamos um pouco para lá da pergunta com ar odioso que dá título ao post), três em cada cinco dias tenho de ligar em cima da hora à minha mãe para ir buscar a cria ao infantário porque não me consegui despachar a horas. Venho para casa cheia de vontade de chorar a pensar o que ando a fazer, por que raios ando nesta correria de ir trabalhar. Já cheguei a pensar: malditas feministas, arruinaram-me a vida. Eu seria feliz atrás do tanque e do fogão a cuidar dos meus ranhosos. Não seria, eu sei, claro que não seria. Ao fim de pouco tempo estaria a perguntar-me o sentido da vida.

 

Nos outros dias, há dias  em que só de pensar no que ainda tenho de fazer fico à beira de um ataque de nervos: o banho-vestir-jantar-pôr a dormir dá cabo de mim. Não me entendam mal, não faço com desprazer, aliás, faço com prazer, mas só porque é Ela, a Manena, e porque a adoro.

 

Deve ser por isso e só por isso que quero ter mais filhos. Realmente, pensemos bem: Não existe qualquer razão lógica e racional para voltar a ficar grávida. Pelo contrário: falta de tempo, marido pouco tempo em casa, vontade de melhorar no trabalho... Mas, inexplicavelmente, eu quero mesmo ter mais filhos. Este e se calhar mais um. Não consigo evitar, é físico.



publicado por Lina às 00:51
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De acatar a 9 de Fevereiro de 2010 às 15:09
olhe, eu não vinha aqui a este burgo há uma semana e tal ou mais e devo dizer que fiquei assim boquiaberto pela novidade, só não dou pulos de alegria porque tenho de ir agora tomar as picas da hepatite A e da hepatite B, que são duas coisas irmãs, assim como será irmã o que nascer em agosto em relação ao seu rebento já existente e com quem já tive o prazer de partilhar o mesmo tecto, confirmando que de facto se trata de uma criança adorável e boa filha da mãe, na medida em que a mãe é divertida e ri-se de tudo, assim como a filha, o pai não tenho o prazer de conhecer a não ser da televisão, mas parece-me catita, é exactamente essa familariedade fugaz com a criança já existente e o longo passado de duras batalhas travadas juntos no jornalismo que acho que seria no mínimo indicado um telefonema da sua parte a informar-me da boa nova, deste modo fiquei a saber da mesma forma que terão ficado a saber algum eventual tio que tenha em frança ou na beira alta, há coisas que magoam, mas percebo que tenhas prioridades, seja como for, o desenvolvimento da sua pança será acompanhado por mim de bem longe, em áfrica, mas fica aqui o desejo de felicidades bastas e a promessa que sempre que me deparar com uma criança esfomeadita em áfrica lhe direi em bom francês 'que pena não seres filha da lina, que aquilo é bife e puré de batata em alegria para os ossos', beijinhos e abracinhos deste que lhe quer bem, apesar de, por princípio, odiar famílias felizes, tivesses tu uma casa no campo e aí é que deixava de te falar.


Comentar post

pesquisar
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Presente

To whom it may concern

Intervalo político

21 semanas

É o Armando Gama? É a Mar...

Ser madrinha

Passado

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links
tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds